Sessenta anos da Valmet no Brasil

Recentemente, a Valmet comemorou 60 anos de negócios bem-sucedidos no Brasil. Conversamos com Celso Tacla, presidente da Valmet na América do Sul, para saber mais sobre os pontos fortes e a história da empresa na região, e como o mercado se desenvolveu ao longo dos anos.

“Foi ótimo comemorar o 60º aniversário, e é muito bom trabalhar em uma empresa com raízes tão fortes no continente sul-americano”, disse Celso Tacla, presidente da Valmet na  América do Sul. “Na verdade, foram duas comemorações. Uma para nossos clientes e pessoas envolvidas nos negócios, outra para nossos funcionários. As duas foram um sucesso, e acho que todos gostaram muito.”

 

Crescimento com o setor

“Como parte dos preparativos, pesquisei um pouco sobre a história da empresa”, disse Tacla. “As coisas eram muito diferentes há 60 anos. Naquela época, a Valmet produzia tratores. Na verdade, em 1960, a Valmet foi uma das primeiras empresas a produzir tratores no Brasil, na fábrica de Mogi das Cruzes. Mas não era um negócio expressivo na época. Acho que foram produzidos só cinco tratores no primeiro ano.”

p77_570x277.jpg

“A Valmet começou a produzir e fornecer equipamentos para o setor de papel e celulose aqui nos anos 1970, quando o setor começou a se expandir. Isso culminou no desenvolvimento da empresa, e desde então fizemos parte de projetos grandes na América do Sul. Na última década, o foco dos novos investimentos em celulose mudou para a América do Sul, devido ao crescimento acelerado dos recursos madeireiros para plantação.”

As pessoas são o segredo do nosso sucesso

“Eu diria que as pessoas e suas competências são o que levaram a Valmet ao sucesso na América do Sul. Além, é claro, dos nossos clientes incríveis”, explicou Tacla. “É claro, temos tecnologia de ponta, e na América do Sul o nosso pessoal está próximo do cliente. Conhecemos bem o mercado, então podemos oferecer um ótimo atendimento aos clientes. Isso é o mais importante.” 

“O ponto forte da Valmet é a nossa competência em tecnologia de processo para todo o setor de papel e celulose, inclusive soluções de energia. Unindo isso a serviços especializados e automação de processos de ponta, conseguimos oferecer aos clientes soluções exclusivas para aprimorar o desempenho das fábricas e produzir papel de celulose de maneira mais sustentável.”

A celulose liderou o mercado durante muitos anos

“A produção de celulose foi o carro-chefe do nosso negócio na América do Sul. Nos últimos tempos, temos focado no setor de papel, e consolidamos nossa posição nesse mercado com sucesso. Também trabalhamos com o setor de painéis de fibra de madeiras”, disse ele. “Atualmente, há também um foco em sustentabilidade em todo o mercado. É uma das megatendências. Por exemplo, a Valmet vem trabalhando com clientes para aumentar a eficiência energética e das matérias-primas, além de diminuir o consumo de água e produtos químicos na fabricação de produtos de papel e celulose de alta qualidade. Outra tendência que percebemos é uma necessidade cada vez maior de papel tissue. Os hábitos de higiene mudaram devido à pandemia, e uma nova onda de fábricas de papel tissue está sendo instalada.”

Nº1 em papel na América do Sul

“Desde que passamos a focar mais no setor de papel, entregamos muitos projetos em toda a América do Sul. Hoje somos o número um no setor de papel aqui também”, disse Tacla. “Por exemplo, no Chile, em 2016, iniciamos uma máquina de papel tissue NTT para a Forestal y Papelera Concepción (FPC). Executamos diversos projetos na Argentina. Fornecemos uma máquina DCT 200 de largura dupla à Papelera San Andrés de Giles, que começou no início do ano passado. Em El Salvador, concluímos a reconstrução da Alas Doradas em 2018, com o objetivo de aumentar a capacidade, melhorar a tecnologia de prensa e reduzir o consumo de energia. Na verdade, foi nosso primeiro projeto em El Salvador, então foi muito interessante. Aqui no Brasil, estamos trabalhando em um novo coater off-machine de ponta, o PC4, para a Oji Papéis Especiais. E, claro, continuamos trabalhando em projetos na área de celulose também.”

Inovando com os clientes

“Na Valmet, inovamos com nossos clientes para responder às necessidades e tendências do mercado. Buscamos continuamente criar soluções para um mundo mais limpo e sustentável”, disse Tacla. “Por exemplo, quando desenvolvemos o sistema Continuous Cooking G3™, começamos perguntando aos clientes o que eles acharam da geração anterior desse sistema de cozimento e o que gostariam de mudar e melhorar. Nossos engenheiros também deram ideias e recomendações, e realizamos um trabalho de desenvolvimento conjunto com nossos centros de tecnologia para lançar a G3. Nossas outras tecnologias recentes estão relacionadas à celulose microfibrilada, que pode ser usada para reduzir o uso de fibras ou substituir plástico, à tecnologia de extração de lignina na planta de Lignoboost da Klabin e na tecnologia que permite operações de planta de celulose sem combustíveis fósseis.”

 

p77_3_570x277.jpg

“Devido à situação excepcional do ano passado, organizamos eventos virtuais em um estúdio para garantir que poderíamos comemorar com segurança. Apresentamos nosso evento para clientes como um talk show ”, diz Celso Tacla.

Digitalização e suporte remoto

“Aqui na América do Sul, também somos líderes em digitalização. A Valmet implementou soluções remotas muito antes da pandemia, portanto, quando veio a necessidade de fornecer suporte remoto aos clientes, já estávamos prontos. E não é só o suporte remoto. Conseguimos fazer engenharia remota, inspeções remotas, etc. Tanto a Valmet quanto os clientes estão animados em realizar esses projetos digitais, pois eles são práticos e  eficientes. Com nossos serviços remotos, conseguimos enviar menos pessoas para o local e fornecer suporte remoto de uma equipe inteira. Já estávamos utilizando conexões  remotas, mas a pandemia reforçou nossa cultura de digitalização. Entregamos 24 projetos de digitalização em apenas seis meses!”

Expectativa pelos próximos 60 anos

Na Valmet temos uma longa história - mais de 200 anos no total - e espero que a ela continue sendo uma empresa de sucesso e que também continue a atrair pessoas talentosas por muito tempo. Parece que temos uma boa receita, mas não é apenas uma receita. É quem somos. É o que fazemos e isso está em nossas raízes. Viemos para ficar e para crescer cada vez mais fortes como uma empresa sustentável. Sustentável para todos - nossos acionistas e as pessoas que trabalham conosco, por nós e, por um mundo melhor”, conclui Tacla.

Texto Peter Cura

 

Novos projetos importantes

A Valmet tem vários projetos expressivos Arauco em andamento na América do Sul. Ao todo, a Valmet está envolvida em quase 50 projetos no continente.

Klabin – Projeto Puma II 

p78_570x277.jpg

A máquina MP27 produzirá um papel kraftliner chamado Eukaliner, o primeiro do mundo que será produzido com 100% de celulose oriunda do eucalipto. A Valmet também entregará a linha de fibras com base no sistema Continuous Cooking G3™, e a reforma das secadoras. A linha de cozimento é a primeira no mundo, projetada para fornecer alto rendimento com baixo consumo de produtos químicos e energia, além de baixa geração de resíduos. O fator mais importante da planta de cozimento G3 é que ela conta com maior flexibilidade para aceitar variações de matéria-prima.

ARAUCO MAPA

p79_3_570x277.jpg

A Valmet está presente no projeto MAPA, de modernização e expansão da Arauco. Quando for concluída, essa fábrica produzirá 1,56 milhão de toneladas de celulose de eucalipto de alta qualidade, além de utilizar energia renovável. A Valmet entregará as linhas de secagem de celulose e enfardamentos, além das caldeiras de recuperação e biomassa, que fornecerão energia renovável e limpa à fábrica. A máquina de secagem usará os controladoress de processos avançados (APCs) para prever e ajustar automaticamente os parâmetros de produção e garantir alta disponibilidade.

Bracell – Projeto STAR

p79_570x380.jpg

A fábrica será completamente livre de combustíveis fósseis. Será uma fábrica flexível, com produção de celulose de mercado e celulose solúvel. A Valmet entregará a planta de evaporação, uma planta de licor branco para a recaustificação e dois fornos de cal com gaseificadores de biomassa. São os primeiros e maiores gaseificadores da América do Sul.

LD Celulose

p79_2_570x277.jpg

A fábrica produzirá 500 mil toneladas de celulose solúvel por ano. A Valmet é a principal fornecedora desse projeto. Entregaremos a linha de fibras, a secagem de celulose e as linhas de enfardamento, uma planta de licor branco e a planta de evaporação.  Entregaremos também toda a automação da fábrica, inclusive os controles DCS e os simuladores de treinamento operacional (OTS) para toda a fábrica. Toda a celulose é destinada à produção de fibras têxteis sustentáveis.