Simuladores da Valmet aumentam a eficiência e minimizam riscos nas operações do Puma II

Em uma fábrica grande e complexa como a unidade Puma da Klabin, em Ortigueira (PR), todo o cuidado com a operação é essencial. Por isso, um item importante para garantir a segurança e a performance dos equipamentos, assim como a qualidade da capacitação dos operadores são os simuladores.

A Valmet é a responsável pela entrega de parte dos simuladores do projeto Puma II da Klabin. O Valmet Training Simulator é utilizado nas áreas de cozimento, lavagem de polpa marrom, depuração, refinação e na nova Máquina de Papel 27. Os simuladores são utilizados, num primeiro momento, para a realização dos testes e validação das lógicas implementadas no Sistema Digital de Controle Distribuído (SDCD ou DCS) e Controles Avançados do Processo (APC), processo conhecido como joint-TAF. Em seguida, o conjunto (simulador e sistema de controle) é empregado como ferramenta no treinamento dos operadores de painel de controle (cerca de 170 horas de treinamento no simulador).

“O simulador é capaz de reproduzir o comportamento dos equipamentos de chão de fábrica, com todas as situações e cenários de operação de forma virtual. Com isso é possível treinar a equipe de operadores antes do início da partida ou depois, capacitando novos profissionais, já com a fábrica em funcionamento”, explica Rafael Ferreira, engenheiro de vendas, que coordenou as atividades deste projeto. “Além disso, ele é uma ferramenta essencial para eventuais ajustes de produção e experimentos operacionais. A Klabin terá a oportunidade de inovar em seus processos, simular situações de produção antes de colocá-las em prática, trazendo ganhos em produtividade e em eficiência”, complementa.

Para Tiago Zan, engenheiro de automação da Klabin, o OTS (Operacional Training Simulator) representou um ganho para o startup da fábrica e para a capacitação dos operadores. “Com os treinamentos com os simuladores, os operadores aperfeiçoam suas performances e aumentam sua adaptação ao sistema de controle, resultando em ações mais rápidas e evitando falhas de segurança, perda de produtividade ou de qualidade. A curva de aprendizado é mais rápida e melhoramos ainda mais a capacitação de pessoas atuando em funções tão importantes”, ressalta.

Os testes foram realizados on site, na unidade Puma, e remotamente, devido às restrições impostas pela pandemia. “No passado, teríamos todas as nossas equipes trabalhando em conjunto aqui no Puma”, ressalta Rafael. “Neste caso tivemos que rever o planejamento e fazer ajustes, contando com equipes remotas e suporte global”, continua.

Klabin Puma II mill overview 570x277.jpg

Eduardo Mai, operador líder da Linha de Fibras, comenta que sua equipe contava com diversos colaboradores experientes, mas que ainda não tinham conhecimento do novo sistema. “Esse sistema de simulação ajuda muito o operador a criar familiaridade com os equipamentos”. “O simulador do Puma II oferece muitas possibilidades de cenários com situações reais do que pode acontecer. Aqui, o operador vai desenvolvendo habilidades para que ele possa trabalhar em cima dos problemas com mais agilidade”.

MP 27: processo modelado do início ao fim por um simulador

A MP 27 é a primeira máquina de papel no Mundo que possui simuladores do início ao fim do processo de produção, com o propósito de treinar e capacitar os operadores. “As outras fábricas fazem a simulação, normalmente, até a etapa de secagem”, ressalta Tiago Zan. “Neste simulador desenvolvido pela Valmet, podemos fazer a modelagem completa até a saída dos rolos-jumbo. Isso é um ganho significativo para o aprendizado dos operadores, que podem simular todo o processo de produção de papel”, continua.

Alan Paes, operador líder da MP 27, avalia que o conhecimento adquirido ao longo das simulações pode, inclusive, auxiliar no dia a dia de quem opera os sistemas. “Isso ajuda no fator psicológico, pois o operador fica menos angustiado, já que agora ele chega já tendo conhecimento e experiência para lidar com os mais diversos tipos de situação. Ele sabe exatamente o que esperar da máquina e como lidar com as variáveis possíveis”, finaliza.